Para manter um bom desempenho as empresas precisam, dentre outros fatores, contar com um time de profissionais competentes e envolvidos com seus objetivos e metas. A fim de evitar alta rotatividade de empregados, bem como valorizar os talentos da equipe, um dos fatores determinantes é a remuneração.

É de conhecimento da maioria dos gestores que não é permitido reduzir o salário dos seus empregados. Contudo, identificada a necessidade de aumento salarial, você sabe quais os cuidados a serem observados?

Para segurança da sua empresa, antes de proceder o aumento salarial de seus empregados, fique atento às seguintes dicas:

Analise o mercado de trabalho

É importante para uma boa gestão que os salários praticados pela empresa estejam alinhados com a prática do mercado. Assim, comece fazendo uma pesquisa externa, saiba o que as demais empresas estão oferecendo a título de salário e benefícios para profissionais com a mesma capacidade técnica.  Dessa forma, você poderá oferecer um salário competitivo. Veja que é importante encontrar um ponto de equilíbrio, analisando as pretensões da sua equipe, a realidade financeira da empresa e o salário ofertado no mercado de trabalho.

Pense na equiparação salarial

Ao aumentar o salário de um empregado, é fundamental que a empresa verifique se há outros colaboradores na sua equipe desempenhando a mesma função. De acordo com a legislação trabalhista, os profissionais que possuem idêntica função e realizam trabalho de igual valor, na mesma localidade, devem receber o mesmo salário.

Entende-se por trabalho de igual valor aquele que tem igual produtividade e mesma perfeição técnica, realizado por empregados cuja diferença de tempo de serviço na função não seja superior a dois anos.

Importante destacar ainda que o trabalho de igual perfeição técnica ou produtividade é de difícil mensuração. Como verificar se dois colaboradores realizam a atividade com a mesma perfeição técnica? Caso sua atividade não permita essa análise de forma mais objetiva, o melhor é garantir o mesmo salário aos empregados que desempenham as mesmas atividades.

Contudo, como dito acima, caso a diferença no exercício da mesma função seja superior a dois anos, é possível que o empregado que desempenha a função a mais tempo receba salário superior. Veja que a diferença não é em relação ao contrato de emprego com a empresa, mas o efetivo desempenho da mesma função.

Garantindo salários iguais àqueles que desempenham as mesmas funções evita-se futuras ações judiciais com pedidos de equiparação salarial.

Irredutibilidade salarial jamais

Outro ponto que merece destaque é o da irredutibilidade salarial. Conforme já mencionamos no início deste artigo, a maioria dos gestores sabem que não é possível reduzir o salário dos seus funcionários, essa é uma garantia do empregado, prevista em nossa Constituição Federal.

Sendo assim, uma vez fornecido aumento ao colaborador, não será possível reduzir este salário. A Constituição Federal prevê essa garantia aos empregados para que possam ter um mínimo de segurança em relação ao salário que contam para manter a sua subsistência e de sua família.

Portanto, é necessário que o gestor, ao conceder aumento salarial, faça uma análise e previsão orçamentária bastante séria, a fim de ter certeza de que poderá honrar o aumento concedido.

Lembre-se dos reflexos

Por fim, é necessário que se analise todos os reflexos que acompanharão o aumento salarial a ser concedido ao empregado, que necessariamente devem entrar nos cálculos antes da concessão do aumento. Férias, horas extras, décimo terceiro, adicional de periculosidade, entre tantas outras verbas ficarão mais caras para o empregador cada vez que for concedido aumento salarial.

Vale lembrar que é absolutamente não recomendável realizar qualquer pagamento extra folha (por fora) visando não pagar reflexos, posto que isso deixa a empresa em situação vulnerável e cria passivo trabalhista.

Se você gostou desse artigo, não deixe de nos acompanhar nas redes sociais!

Share This